terça-feira, 16 de outubro de 2007

Cair no "poder" / Cair no "espírito" (Fanerose)

Entre as manifestações em moda nas "igrejas evangélicas" acha-se o "cair no poder", conhecido também como "arrebatamento de espírito" ou "cair no espírito". Embora não seja nenhuma novidade, esse fenômeno começou a ganhar notoriedade a partir de 1994. Neste ano, a Igreja Comunhão da Videira do Aeroporto de Toronto (a mesma da "unção do riso"), no Canadá, passou a ser visitada por milhares de religiosos (entre eles muitos padres e freiras), todos à procura de uma "bênção especial". Dizendo-se cheios do Espírito, os freqüentadores dessa "igreja" começaram a manifestar-se de maneira estranha e bizarra, alguns caindo prostrado no chão como que desmaiado, outros caindo e rolando de um lado para outro e outros rindo descontroladamente como que em um transe, numa verdadeira lavagem cerebral.

Recentemente tive acesso a uma matéria, de autoria de uma pessoa que se apresenta como líder evangélico (por questões de ética não irei citar o nome), que defendia a prática conhecida como "cair no espírito" e atacava aqueles que não a aceitam. Ao lê-la percebi que seria necessário que se efetuasse uma análise daqueles argumentos. É o que farei agora!

Ele começa afirmando que "nada é pior do que as palavras daqueles que dizem que o ministério do cair pelo poder de Deus é algo do Diabo" e que é "triste ver a obra de Deus ser tratada dessa forma". Ele também afirma que os que rejeitam tal prática como válida para a Igreja "não tem revelação do amor e do poder de Deus" e que "em geral os que dizem isso são aqueles que não tem nenhum compromisso sério com o Evangelho". Bom, para que concordássemos com tais afirmações seria necessário que aceitássemos que tal prática tem sua origem em DEUS, mas sabemos pela Bíblia que não procedem de DEUS.

Um pouco mais adiante o autor do artigo apresenta seu primeiro versículo para embasar tal prática. Ele se usa de Mt 7.16, 20 e 21 para argumentar que DEUS pode se manifestar de forma que transcende a nossa limitada mente, mas o texto citado nada tem a ver com a manifestação de DEUS. Leia o texto: "Por seus frutos os conhecereis. Porventura se colhem uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus". O texto fala sobre o fato de termos cuidado com aqueles que se dizem cristãos, mas de fato não o são e nos exorta a analisá-los mediante os seus frutos. Ora como se efetua tal análise? Um fruto só é válido se ele glorifica ao Pai. Não importa o quão seja belo, se sua aparência é apetitosa, se é bem aceito pelas pessoas, se é produzido em larga escala ou se parece santo. Se não glorificar o Pai não é um fruto produzido por um discípulo de CRISTO. A Bíblia nos diz que em um determinado momento da história surgirão falsos profetas disfarçados de "anjos de luz" (II Co 11.14), que muitos seguirão falsos mestres por não mais amarem a sã doutrina (II Tm 4.3) e Paulo diz: E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles. Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples (Rm 16:17-18).

Portanto não é pelo fato de que alguém parece santo, ou que o que ele ensina atrai muitas pessoas ou parece dar certo significa que tem o selo de aprovação divina. Esse "selo" só é dado aqueles que realmente fazem tudo para que DEUS seja glorificado.

Logo após o uso do texto de Mateus o autor do artigo afirma que eles são honrados por Deus por pregarem a "manifestação do Seu poder" e que mesmos os de "bom coração" que o criticam o fazem por "só conhecerem tradições, não entendem o mover de Deus". É curioso como é fácil se colocar em posição de mais espiritual que os demais (em especial em relação daqueles que discordam do que se ensina). É inevitável efetuar comparações, as afirmações expostas por esse autor são similares a de outros homens e mulheres na história recente. Sabem quem? (1) Charles Taze Russel (primeiro líder das Testemunhas de Jeová), (2) Ellen Gould White (principal líder e profetisa dos Adventistas), (3) Joseph Smith (líder e primeiro profeta dos mórmons) e (4) David "Moses" Berg (fundador dos Meninos de Deus).

Esses e outros todos líderes de seitas e movimentos heréticos quando são questionados sobre seus ensinamentos irem contra a palavra de DEUS usam o mesmo argumento. Isto evidencia que seus argumentos não são nem inéditos e tampouco irrefutáveis.

Também percebemos que ele persegue no processo de rotular aqueles que o contradizem como sendo, espiritualmente falando, imaturos, e utiliza o texto de II Pe 3.10-16 para embasar sua afirmação. O que diz o texto? "E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição". II Pe 3:10 e 16.

O texto fala sobre alguns pontos mais complexos das cartas paulinas e que haveria pessoas que as torcem e isso acarreta em sua própria condenação. É interessante ler o verso seguinte: "Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza"; É um alerta para evitar novidades e distorções das Escrituras Sagradas.

O próximo argumento do autor é dizer que muitas pessoas aderiram ao "cair no poder" e que se isso não fosse de DEUS não teria grande aceitação. Bom, com certeza todos os cristãos pecam e isso não torna o pecado aceitável por DEUS, ou seja, não é fato que por uma prática ou doutrina possuir ampla aceitação no meio da Igreja isso tornará tal doutrina ou prática correta. A verdade é verdade mesmo que ninguém creia nela. Novamente ele utiliza um texto para embasar seu argumento. Vamos lê-lo: "Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá. E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino?" (Mt 12.25 e 26)

Aqui não fala sobre o fato de a maioria autenticar ou não uma prática ou doutrina, mas sobre o fato que acusavam JESUS de expulsar demônios em nome de satanás, Ele argumenta então que, se assim fosse, o reino das trevas estaria se auto-destruindo. O texto centra-se nos seguintes pontos: Autoridade de JESUS sobre demônios, Sua divindade, pois podia ler os pensamentos dos homens, mostrando assim uma característica exclusiva de DEUS, a onisciência e Sua sabedoria ao expor o erro na lógica dos homens.

Logo após o autor afirma que "cair no poder" é um "sinal profético dos últimos dias para a Igreja do Senhor". Onde na Palavra de DEUS está escrito que tal prática seria um sinal da volta de JESUS? Pelo menos o autor tem coerência o suficiente para reconhecer que não há base bíblica para tal afirmação e por isso não cita nenhum texto que lhe sirva como base.

Ele afirma que os que questionam tal prática agem como Nicodemos que não entendia o que JESUS fazia. É evidente que o autor opta sempre por tentar rotular e definir os que são contrários ao que ele defende como menos espirituais. Logo após ele usa o texto de Lc 12.10 para alegar que aquele que questiona a obra de DEUS comete pecado e ofende a DEUS. Vejamos o texto: E a todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem ser-lhe-á perdoada, mas ao que blasfemar contra o Espírito Santo não lhe será perdoado.

Blasfemar não significa questionar, segundo o dicionário Michaelis o seu significado é: (lat blasphemare) vint 1 Proferir blasfêmias. vti 2 Dizer palavras ofensivas à pessoa ou coisa digna de respeito. 3 Praguejar, maldizer, amaldiçoar, imprecar. Ora, aqui não é o caso. Primeiro porque não estamos ofendendo ninguém e tampouco nos atemos em tentar rotular o autor do artigo. Segundo por que o que está sendo analisado não é DEUS ou Sua obra, mas se tal doutrina ("cair no poder") vem de DEUS.

Finalmente o autor decide apresentar textos que embasem a prática que ele ensina e que ele não pretende convencer ninguém de nada, pois isso seria função do Espírito Santo. Também afirma que após as pessoas "caírem" elas se erguem sentindo-se mais íntimas de DEUS, com maior prazer em servi-Lo e adorá-Lo e que muitas pela primeira vez disseram a DEUS: "Eu te amo, Pai!"

Bom, supondo que isso (tal mudança comportamental nos que "caíram") seja real, não seria o caso de questionar se tais pessoas realmente conheciam a DEUS? Seriam salvas? Pode um salvo por CRISTO JESUS nunca ter dito que ama a DEUS? Que salvação é essa? Será possível que haja um verdadeiro cristão que não tenha prazer em adorá-Lo?

Tais manifestações não contam com o necessário respaldo bíblico. Temos de posicionar-nos segundo a Bíblia que é a nossa única regra de fé e conduta.

Devemos estar sempre atentos, pois satanás também opera sinais espetaculares com o objetivo de enganar os escolhidos: "Surgirão falsos cristos e falsos profetas e farão tão grandes sinais e prodígios, que, se possível fora, enganariam até os escolhidos" (Mt 24.24).

Nos diversos exemplos de prostração que fomos buscar na Bíblia, observamos o seguinte: Os personagens que se prostraram, ou foram prostrados, em virtude de alguma experiência sobrenatural, caíram para frente, e não para trás, como está ocorrendo hoje em algumas igrejas. Não era algo programado, nem ministro algum os induzira a cair. Ou seja: ninguém precisou soprar neles ou neles tocar para que caíssem. Tais modismos têm levado a irreverência e a bizarrice ao seio do povo de Deus. Há alguns que se tornaram tão ousados que jogam até os seus paletós a fim de provocar prostrações coletivas. Isto é um absurdo! É antibíblico!

Vamos analisar os textos que ele apresenta para defender a prática do "cair no poder": Atos 22.6 a 9: Ora, aconteceu que, indo eu já de caminho, e chegando perto de Damasco, quase ao meio-dia, de repente me rodeou uma grande luz do céu. E caí por terra, e ouvi uma voz que me dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E eu respondi: Quem és, Senhor? E disse-me: Eu sou Jesus Nazareno, a quem tu persegues. E os que estavam comigo viram, em verdade, a luz, e se atemorizaram muito, mas não ouviram a voz daquele que falava comigo.

Ezequiel 1:28: Como o aspecto do arco que aparece na nuvem no dia da chuva, assim era o aspecto do resplendor em redor. Este era o aspecto da semelhança da glória do SENHOR; e, vendo isto, caí sobre o meu rosto, e ouvi a voz de quem falava.

Daniel 10:7-9: E só eu, Daniel, tive aquela visão. Os homens que estavam comigo não a viram; contudo caiu sobre eles um grande temor, e fugiram, escondendo-se. Fiquei, pois, eu só, a contemplar esta grande visão, e não ficou força em mim; transmudou-se o meu semblante em corrupção, e não tive força alguma. Contudo ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí sobre o meu rosto num profundo sono, com o meu rosto em terra.

O texto de Ezequiel descreve um ato voluntário de prostração (deitar-se com a face em terra em sinal de adoração ou profunda reverência), Ezequiel não caiu como quer nos fazer entender o autor do artigo.

Quanto a Daniel e Paulo ambos caíram pelo temor e o pavor ante a glória de DEUS. Paulo caiu ao chão mas permaneceu consciente e lúcido; Daniel desmaiou de medo. Nenhum dos dois ficou rolando e se estrebuchando pelo chão, rindo que nem demente ou outras bizarrices do tipo.

Os casos de prostração narrados na Bíblia deram-se em virtude da reverência e temor que os já citados personagens sentiram ao presenciar a glória divina. No Novo Testamento, o termo usado para prostração é pesotes prosekinsan que, no original, significa: cair por terra em sinal de devoção. Em Apocalipse 5.14, a expressão grega aparece para mostrar os anciãos prostrados aos pés do Cristo glorificado.

Hoje em dia milhares de pessoas "caem" por aí. Qual tem sido a conseqüência disso para o mundo que nos cerca? De positiva nenhuma. Deveríamos ter conversões em massa, uma busca pela santidade sem precedentes e a Palavra de DEUS anunciada a todo o mundo de tal forma que estaríamos muito próximos de fazer com que todos os homens e mulheres conhecessem o Evangelho. É isso que tem sido visto? Não. Temos visto um Evangelho diluído a modismos, pastores corrompidos pelo poder e pelo mundo sendo presos e processados por roubo, lavagem de dinheiro e estelionato, igrejas sem amor pelas almas, falta de conhecimento da Palavra pelo povo de DEUS que não lêem a Bíblia e uma adoração emocionalista.

Se "cair no espírito" ou "no poder" fosse algo de DEUS porque surgiu somente agora no final deste século? Isso é tão somente um modismo conduzido pela histeria de fim de milênio e que tão logo cruzemos esse marco no calendário, surgirá uma nova moda.

Não questiono que DEUS tenha capacidade de fazer algo e é bem verdade que se alguém, tal qual Paulo, chegar a ver uma manifestação da glória de Deus com certeza se não se prostrar voluntariamente cairá morto ao chão. Contudo o que está ocorrendo em alguns "templos evangélicos" se assemelha muito com o que ocorre nos centros de umbanda, candomblé e quimbanda e em muitas seitas orientais em que os fiéis são levados através de mantras (alguns "louvores gospel" fazem muito bem esse papel), induções psíquicas e lavagem cerebral a entrarem num transe perigoso e diabólico, exatamente como ocorre em muitos "encontros tremendos".

O que percebemos é que as pessoas não querem passar por um processo longo de purificação e santificação. Uma mortificação diária e uma submissão constante de suas vidas ao Senhorio de JESUS. O que alguns líderes estão vendendo e muitas pessoas estão comprando é uma suposta santificação instantânea. Você "cai carnal e levanta espiritual" é a propaganda divulgada, propaganda está tremendamente enganosa, mortal e satânica.

Não questiono o poder de DEUS, mas sei que o poder de DEUS não é cair. A Bíblia diz bem claro que o poder de DEUS é o Evangelho: Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego (Romanos 1:16).

Não se cai no Evangelho, ele existe para ser vivido e comunicado, ser exposto e amado, respeitado e obedecido, mas infelizmente muitos por ouvirem falsas doutrinas caem do Evangelho e da Graça recebida. Em que situação você se encontra?

Que DEUS tenha misericórdia de nós!

www.obereano.blogspot.com

Siga por Email

Assine O Bereano

Seguidores